Compartilhar
Informação da revista
Vol. 82. Núm. 1.
Páginas 112-115 (Janeiro 2016)
Compartilhar
Compartilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Vol. 82. Núm. 1.
Páginas 112-115 (Janeiro 2016)
Open Access
Sialolito gigante de ducto da glândula submandibular tratado por excisão e reparo ductal: relato de caso
Giant sialolith of submandibular gland duct treated by excision and ductal repair: a case report
Visitas
...
Thiago de Paula Oliveiraa, Isaac Nilton Fernandes Oliveiraa, Eduardo Carvalho Paes Pinheiroa, Renata Caroline Ferreira Gomesa, Pietro Mainentib
a Faculdade de Medicina de Juiz de Fora, Universidade Presidente Ant??nio Carlos, Juiz de Fora, MG, Brasil
b Departamento de Patologia, Faculdade de Medicina de Juiz de Fora, Universidade Presidente Ant??nio Carlos, Juiz de Fora, MG, Brasil. Departamento de Cirurgia Oral e Maxilofacial, Centro M??dico Rio Branco, Juiz de Fora, MG, Brasil
Informação do artigo
Texto Completo
Bibliografia
Baixar PDF
Estatísticas
Figuras (4)
Mostrar maisMostrar menos
Tabelas (1)
Tabela 1. Tabela comparativa dos casos consultado
Texto Completo

Introdução

Sialolitíase é uma das doenças mais comuns de glândulas salivares.1,2 Trata-se de uma condição caracterizada por um fenômeno obstrutivo causado por um cálculo em uma glândula salivar ou em seu ducto excretório.1 Em geral, a apresentação clínica se caracteriza por edema e dor locais, infecção da área afetada e dilatação do ducto salivar.1 Normalmente, a sialolitíase afeta adultos entre a terceira e quarta décadas de vida, com uma frequência de 12:1000.3 O número de casos em pacientes do sexo masculino é cerca de duas vezes maior do que em pacientes do sexo feminino.3

Estima-se que 80-90% dos casos ocorram na glândula submandibular, enquanto que 10-20% ocorrem na glândula parótida.3 O tamanho dos cálculos varia, desde menos de um milímetro até alguns centímetros. Embora a frequência da sialolitíase seja relativamente alta, é rara a ocorrência de sialolitos gigantes medindo mais de 1,5 cm em qualquer dos seus diâmetros. Por essa razão, são poucos os estudos publicados na literatura médica pertinente.1,4

O presente artigo descreve um caso de um sialolito gigante em um homem de 42 anos de idade, abordando os aspectos clínicos, diagnósticos e a cirurgia do reparo do ducto realizada para a restauração do fluxo salivar.

Relato de caso

O paciente, um homem negro com 42 anos, compareceu a uma consulta odontológica em março de 2014. Após exame radiográfico de rotina, foi encaminhado para consulta com um cirurgião e traumatologista bucomaxilofacial, em abril do mesmo ano. Durante a anamnese, o paciente negou história de qualquer doença. Informou apenas uma cirurgia na perna direita, sem maiores intercorrências. O exame físico revelou anquiloglossia e, durante a palpação, um endurecimento na glândula salivar submandibular direita. Para um aprofundamento da investigação, foram solicitados exames de imagem (fig. 1A). A hipótese diagnóstica estabelecida foi a de sialolitíase no ducto da glândula submandibular direita.

Figura 1 A, Tomografia computadorizada (axial) revelando tecido mineralizado com densidade heterogênea e dimensões aproximadas de 3,0 × 1,0 cm. B, Imagem tridimensional do sialolito e da mandíbula.

Tendo em vista que o sialolito exibia dimensões exuberantes, foi proposta excisão cirúrgica, seguida de reconstrução do ducto da glândula submandibular. Foram solicitados exames de sangue e de risco cirúrgico para o paciente.

No dia 21 de maio de 2014, o procedimento foi realizado por uma abordagem intrabucal. O sialolito foi removido por curetagem, após incisão direta do ducto. A presença de mineralização parcial favoreceu a fragmentação da parte distal do cálculo. Um verdadeiro cisto de glândula salivar foi removido, juntamente com os cálculos (fig. 2).

Figura 2 A, O cálculo fragmentado, visto à esquerda. À direita, tecido correspondente ao cisto salivar. B, Secção histológica do cisto revelando um epitélio oncocítico cístico compatível com epitélio ductal (HE. 400×).

Para o tratamento da anquiloglossia, foi realizada uma frenulectomia da língua e, para a restauração do fluxo salivar, uma sonda uretral número 8 foi inserida no coto ductal residual. A mucosa foi suturada em torno da sonda com fio de sutura Vicryl 3-0, para reparar o ducto da glândula submandibular.

Os outros tecidos foram suturados em planos anatômicos e não houve complicações durante o procedimento cirúrgico.

Dois dias após a cirurgia, uma ultrassonografia demonstrou que a sonda se encontrava no interior do ducto da glândula submandibular (fig. 3). À ordenha da glândula, observou-se presença de um líquido cristalino fluindo do interior do tubo (fig. 4). Oito dias após a cirurgia, o paciente informou aumento no volume salivar e ocorrência de contrações na região da glândula submandibular.

Figura 3 A ultrassonografia mostra a sonda no interior do ducto da glândula salivar.

Figura 4 A sonda e as suturas se encontram em posição cirúrgica correta.

As suturas e o dreno foram removidos 14 dias após a cirurgia. Uma manobra de ordenha da glândula demonstrou salivação copiosa, indicativa de que a técnica cirúrgica efetuada tinha sido bem-sucedida na reconstrução da estrutura ductal. As consultas de seguimento realizadas até dois meses após a cirurgia não revelaram complicações ou queixas.

Discussão

Sialolitíase é uma doença que pode afetar qualquer faixa etária, com maior prevalência em adultos do sexo masculino.2,5 A sialolitíase afeta principalmente a glândula submandibular.6 Apesar de ser uma doença comum na população, a presença de um cálculo gigante é extremamente rara; a maioria dos sialolitos não excede 1,5 cm.3,5 O cálculo, no presente caso, tinha dimensões de, aproximadamente, 3,0 × 1,0 cm e, portanto, foi considerado como um sialolito gigante.1

Habitualmente, os sintomas relatados são dor e edema na área da glândula, que pioram às refeições (tabela 1).2-4,6,7 No presente relato, o paciente se encontrava assintomático, apesar das dimensões exuberantes do cálculo.

De acordo com Jensen8 e Cawson et al.,7 os cálculos salivares podem estar associados à presença de cistos verdadeiros de glândula salivar. Essas lesões ocorrem em função da obstrução do fluxo salivar, seguida por proliferação do epitélio ductal que circunda o cálculo. Nosso espécime apresentava uma diferenciação escamosa e oncocítica em acordo com a literatura pertinente.8

A fisiopatologia da formação do cálculo ainda não foi devidamente elucidada.3 No entanto, acredita-se que o sialolito se forma em decorrência da deposição de sais de cálcio em torno de um “nicho” de material orgânico.7

Em 80% dos casos, a glândula afetada é a submandibular,7 devido a uma série de fatores sinergísticos, como: a) composição da saliva produzida pela glândula, que é mais alcalina e com importante concentração de cálcio6; b) o fluxo salivar que ocorre contra a gravidade2,9; e c) anatomia longa e tortuosa do ducto da glândula submandibular.6,9 Todos esses fatores operam em conjunto na formação do cálculo na glândula submandibular.2,6,9 Na opinião dos autores, a ocorrência dos sialolitos apresentados na literatura consultada é coerente com o nosso entendimento.

Com relação ao tratamento, a opção por um procedimento menos invasivo é de grande importância, para que seja preservado o funcionamento da glândula.2,4,7,9 A literatura pertinente indicou alguns procedimentos cirúrgicos, como sialitotomia transoral, sialendoscopia, litotripsia por onda de choque extracorpórea e ressecção da glândula.2,3 Nos casos de pequenos sialolitos, também são possíveis tratamentos conservadores por meio de sialogogos e massagem da glândula.7

O presente caso descreveu o tratamento de um cálculo exuberante por meio de uma abordagem intrabucal, em associação com reparo ductal. Embora Fowell et al.2 tenham concluído que a sialoplastia é um dos principais tratamentos para sialolitos gigantes, essa técnica não foi descrita ou utilizada pelos autores consultados. Esses estudiosos promoveram a remoção do sialolito com fechamento por segunda intenção.

Entre as possíveis complicações cirúrgicas, inclui-se a lesão do nervo mandibular.2 A outra complicação é a estenose do ducto de Wharton.2 Em nosso caso, não houve evidência de qualquer dessas complicações. O reparo ductal preservou o fluxo salivar entre a glândula e a cavidade bucal.

A remoção cirúrgica de sialolitos varia, dependendo do cirurgião. A abordagem preferida é principalmente realizada por meio de uma intervenção intrabucal (tabela 1).

Conclusão

O presente relato de caso teve como objetivo descrever a remoção de um sialolito gigante. De acordo com o conhecimento dos autores, o caso descrito é singular, em função do reparo cirúrgico do ducto após excisão de um cálculo salivar.

Conflitos de interesse

Os autores declaram não haver conflitos de interesse.


Recebido em 11 de março de 2015;

aceito em 27 de março de 2015

* Autor para correspondência.

E-mail:pietromainenti@terra.com.br (P. Mainenti).

DOI se refere ao artigo: http://dx.doi.org/10.1016/j.bjorl.2015.03.013

Como citar este artigo: Oliveira TP, Oliveira INF, Pinheiro ECP, Gomes RCF, Mainenti P. Giant sialolith of submandibular gland duct treated by excision and ductal repair: case report. Braz J Otorhinolaryngol. 2016;82:120-3.

☆☆ Instituição: Faculdade de Medicina de Juiz de Fora, Universidade Presidente Antônio Carlos, Juiz de Fora, MG, Brasil.

Bibliografia
[1]
Giant sialoliths of submandibular gland duct: report of two cases with unusual shape. Contemp Clin Dent. 2013;4:78-80.
[2]
Giant salivary calculi of the submandibular gland. J Surg Case Rep. 2012;9:1-4.
[3]
Unusually large sialolith of Wharton??s duct. Ann Maxillofac Surg. 2012;2:70-3.
[4]
Surgical management of an unusually large sialolith of Wharton??s duct: a case report. King Saud Univ J Dent Sci. 2013;4:33-5.
[5]
Sialolito gigante associado ?? f??stula cut??nea. Rev Cir Traumatol Buco-Maxilo-Fac. 2008;8:35-8.
[6]
Sialolit??ase: relato de um caso. Rev Cir Traumatol Buco-Maxilo-Fac. 2003;3: 9-14.
[7]
Neoplastic and non-neoplastic diseases of salivary glands. Em: Cawson??s essentials of oral pathology and oral medicine. 7th ed. Edinburgh: Churchill Livingstone; 2002. p. 291-3.
[8]
Idiopathic diseases. Em: Ellis GL, Auclair PL, Gnepp DR, editores. Surgical pathology of the salivary glands. Philadelphia: W.B. Saunders; 1991. p. 60-82.
[9]
Submandibular giant sialoliths − 2 case reports and review of the literature. Indian J Otolaryngol Head Neck Surg. 2009;61:55-8.
Idiomas
Brazilian Journal of Otorhinolaryngology

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas