Compartilhar
Informação da revista
Vol. 86. Núm. 4.
Páginas 393-394 (Julho - Agosto 2020)
Compartilhar
Compartilhar
Baixar PDF
Mais opções do artigo
Vol. 86. Núm. 4.
Páginas 393-394 (Julho - Agosto 2020)
Editorial
DOI: 10.1016/j.bjorlp.2020.06.001
Open Access
Smell and taste disorders: warning signs for SARS‐CoV‐2 infection
Transtornos do olfato e do paladar: sinais de alerta para infecção por SARS‐CoV‐2
Visitas
...
Klinger Vagner Teixeira da Costaa,
Autor para correspondência
klingercostamcz@gmail.com

Autor para correspondência.
, Aline Tenório Lins Carnaúbab
a Universidade Federal de Alagoas (UFAL), Maceió, AL, Brasil
b Centro Universitário Cesmac, Maceió, AL, Brasil
Informação do artigo
Texto Completo
Bibliografia
Baixar PDF
Estatísticas
Texto Completo

O Brasil, o segundo país mais populoso das Américas, enfrenta uma crise de saúde pública com mais de 66 mil casos confirmados e cinco mil mortes por Covid‐19. Devido à demanda mundial por testes para identificar pacientes infectados com SARS‐CoV‐2, as estratégias sanitárias são profundamente prejudicadas pela falta de testes que possam orientar o isolamento correto e imediato de casos positivos de Covid‐19. Nas últimas semanas, observou‐se que a perda de olfato/paladar associada à Covid‐19 tem sido uma queixa frequente e, principalmente, identificada quando se avalia o paciente com ferramentas apropriadas. No entanto, quão úteis são esses sintomas na prática clínica e, principalmente, na ausência de testes para SARS‐CoV‐2?

Em estudo recente, Menni et al.1 mostraram que a combinação de perda de olfato/paladar, febre e tosse era preditiva para teste positivo para Covid‐19 com sensibilidade de 0,54 (0,44; 0,63), especificidade 0,86 (0,80; 0,90) e, em geral, a perda de olfato/paladar teve um valor preditivo positivo de 61,7%.

Um estudo multicêntrico europeu também mostrou que anosmia e ageusia estavam independente e fortemente associados à positividade para Covid‐19 (anosmia: aOR=10,9; 95% IC: 5,08?23,5; ageusia: aOR=10,2; 95% IC: 4,74?22.1).2 No Brasil, sem testes suficientes para uma avaliação populacional maciça, principalmente em regiões com poucos recursos diagnósticos e pobres, a recomendação para isolar um paciente com queixa de anosmia/ageusia, já a partir da própria consulta médica, torna‐se uma estratégia de saúde pública para tentar controlar a propagação do vírus.

De fato, a perda de olfato/paladar não depende de obstrução nasal/rinorreia e pode começar antes mesmo dos sinais/sintomas de Covid‐19. Torna‐se sinal de alerta mesmo em pacientes oligossintomáticos. Principalmente no estágio inicial da doença, quando ocorrem alta reprodução e transmissibilidade do vírus; a recuperação do olfato/paladar, quando há, geralmente ocorre nas duas primeiras semanas após a resolução do Covid‐19.3 Entretanto, semana a semana surgem novas interpretações. Acreditamos que a valorização e o questionamento ativo ao paciente acerca de distúrbios olfatório/gustatório podem ajudar, não apenas aos otorrinolaringologistas, mas toda a equipe de saúde que trabalha na linha de frente no controle da pandemia.

Conflitos de interesse

Os autores declaram não haver conflitos de interesse

Referências
[1]
C. Menni, A. Valdes, M.B. Freydin, S. Ganesh, J.E.-S. Moustafa, A. Visconti, et al.
Loss of smell and taste in combination with other symptoms is a strong predictor of Covid‐19 infection.
medRxiv., (2020),
[2]
C.H. Yan, F. Faraji, D.P.P. Bs, C.E. Boone, A.S. Deconde.
(a). Association of Chemosensory Dysfunction and Covid‐19 in Patients Presenting with Influenza‐like Symptoms.
Int Forum Allergy Rhinol, 10 (2020), pp. 806-813
[3]
J.R. Lechien, C.M. Chiesa-Estomba, D.R. De Siati, M. Horoi, S.D. Le Bon, A. Rodriguez, et al.
Olfactory and gustatory dysfunctions as a clinical presentation of mild‐to‐moderate forms of the coronavirus disease (Covid‐19): a multicenter European study.
Eur Arch Otorhinolaryngol., 277 (2020), pp. 2251-2261

Como citar este artigo: Costa KV, Carnaúba AT. Smell and taste disorders: warning signs for SARS‐CoV‐2 infection. Braz J Otorhinolaryngol. 2020;86:393–4.

Copyright © 2020. Associação Brasileira de Otorrinolaringologia e Cirurgia Cérvico-Facial
Idiomas
Brazilian Journal of Otorhinolaryngology

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas
en pt
Cookies policy Política de cookies
To improve our services and products, we use "cookies" (own or third parties authorized) to show advertising related to client preferences through the analyses of navigation customer behavior. Continuing navigation will be considered as acceptance of this use. You can change the settings or obtain more information by clicking here. Utilizamos cookies próprios e de terceiros para melhorar nossos serviços e mostrar publicidade relacionada às suas preferências, analisando seus hábitos de navegação. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso. Você pode alterar a configuração ou obter mais informações aqui.