Compartilhar
Informação da revista
Vol. 88. Núm. 6.
Páginas 821-822 (Novembro - Dezembro 2022)
Visitas
...
Vol. 88. Núm. 6.
Páginas 821-822 (Novembro - Dezembro 2022)
Editorial
Open Access
Cirurgia robótica transoral em otorrinolaringologia: uma nova fronteira a ser conquistada
Visitas
...
Adriano Santana Fonsecaa,b
a Nicholson Center, Orlando, Estados Unidos
b Oncoclinicas, Santa Casa Bahia, Salvador, BA, Brasil
Informação do artigo
Texto Completo
Bibliografia
Baixar PDF
Estatísticas
Texto Completo

O termo “robótica” foi inicialmente usado por Isaac Asimov em seu artigo de ficção Robot Stories.1 A cirurgia robótica consiste no uso de um dispositivo eletromecânico, manipulado por um cirurgião treinado para controlar braços computadorizados.2 A cirurgia robótica oferece acesso a sítios cirúrgicos com visualização limitada, potencializada por uma visão tridimensional e instrumentos que permitem trabalhar em áreas onde habitualmente os movimentos seriam restritos.

Aprovado pelo FDA desde 2009, o uso da cirurgia robótica data de 1993. Entretanto, a maioria das evidências científicas foi publicada nos últimos três anos. Uma revisão da literatura de 2021 identificou 154 ensaios clínicos, 43 randomizados e três em otorrinolaringologia.3

Diferentemente de outras especialidades cirúrgicas, os otorrinolaringologistas ainda não incorporaram a robótica como procedimento cirúrgico padrão. O fato de que os robôs foram desenvolvidos para cirurgia abdominal, sem foco particular na otorrinolaringologia, fez com que em todo o mundo a especialidade se adaptasse ao uso dessas plataformas robóticas para procedimentos transorais. No entanto, a técnica resultou em grandes vantagens para pacientes e cirurgiões.

Além das vantagens já citadas, observou‐se ao longo do tempo que a cirurgia robótica transoral (TORS, do inglês transoral robotic surgery) desenvolveu procedimentos mais padronizados, facilitam tanto a reprodutibilidade quanto o ensino.

Aplicação clínicaDoenças malignas da orofaringe

Em pacientes bem selecionados, a cirurgia robótica transoral oferece vantagens sobre procedimentos mais agressivos. Os benefícios da TORS são maiores para pacientes cuja ressecção cirúrgica pode reduzir ou eliminar a necessidade de terapia adjuvante, abordagens abertas ou quimiorradiação primária.3 A cirurgia a laser transoral usa a mesma abordagem transoral, mas é limitada por cortes tangenciais, risco de queimaduras na via aérea e hemostasia limitada. Além disso, a técnica a laser dificulta a ressecção “em bloco” de tumores. Nesse caso, a TORS, por seus recursos citados, oferece vantagens sobre outras técnicas cirúrgicas.

Metástases cervicais de primário desconhecido

A TORS também se tornou uma ferramenta valiosa na investigação de pacientes com câncer primário desconhecido (CUP, do inglês Cancer of unknown primary). A tonsilectomia palatina e a mucosectomia lingual robótica permitem a identificação do sítio primário do carcinoma em 72‐82% dos pacientes, com consequente redução da toxicidade da quimiorradiação. A literatura mostrou que a TORS pode resultar na remoção completa do tumor em 78% dos pacientes.3

Tratamento da doença laríngea

A TORS é aplicada com sucesso em cirurgias supraglóticas, tanto em lesões benignas como malignas. Embora laringectomias robóticas totais já tenham sido descritas, o acesso à glote e subglote é limitado sem a tecnologia de única porta (SP).

Apneia obstrutiva do sono (AOS) e ronco

A melhor estratégia de tratamento para apneia do sono é determinada por uma boa seleção de pacientes. A pressão positiva contínua nas vias aéreas (CPAP, do inglês continuous positive airway pressure), apesar de comprovadamente eficaz, apresenta baixa adesão em longo prazo.4 A TORS foi usada inicialmente em 2010 como um tratamento alternativo para AOS, aborda a obstrução oro/hipofaríngea.4 A redução da base da língua (BOT) e a supraglotoplastia são o foco principal da TORS para o tratamento da AOS. As ressecções podem incluir a tonsila lingual e a base da língua, além de uma epiglotoplastia em casos selecionados.5 As principais vantagens da TORS, em comparação com a cirurgia não robótica, são a visualização tridimensional e detalhada dessa área, permite uma dissecção segura e controle vascular em cada etapa cirúrgica.4

Base do crânio e nasofaringe

O’Malley e Weinstein, em 2007, descreveram a TORS para cirurgia da base do crânio. A primeira aplicação clínica ocorreu em 2012 para a ressecção de um carcinoma nasofaríngeo recorrente com abordagem nasal e oral combinada. Desde então, há vários relatos de casos que descrevem o uso de técnicas robóticas para lesões de base do crânio. Uma vantagem do sistema robótico em relação ao endoscópio é a possibilidade de movimento óptico independente e sem a necessidade das mãos, além da visualização tridimensional; entretanto é ainda limitado pelo espaço estreito, tamanho dos braços e ferramentas limitadas.

Futuro

As tecnologias robóticas estão evoluindo continuamente, fornecem feedback háptico e realidade magnificada com imagens microscópicas. Os avanços nas tecnologias robóticas certamente caminham para suprir as necessidades de todas as especialidades cirúrgicas. A otorrinolaringologia e a cirurgia de cabeça e pescoço já estão avançando na robótica para acesso remoto transoral e cervical. Embora os custos fossem inicialmente altos, hoje em dia são comparáveis a outras tecnologias em ORL, à medida que os robôs se popularizam entre outras especialidades. O sistema robótico pode substituir as plataformas de cirurgia endoscópica e ter uma grande influência na forma como fazemos a cirurgia otorrinolaringológica em um futuro próximo, como aconteceu no passado com a cirurgia endoscópica. Os otorrinolaringologistas atendem muitos pacientes que podem se beneficiar dessa técnica para procedimentos que abordam lesões benignas e malignas. O aumento do número de procedimentos assistidos por robôs pode oferecer aos otorrinolaringologistas a formação e a experiência necessárias para dominar o futuro da cirurgia robótica transoral.

Conflitos de interesse

O autor declara não haver conflitos de interesse.

Referências
[1]
A. Pamar, D.G. Grant, P. Loizou.
Robotic surgery in ear, nose and throat.
Eur Arch Otorhinolaryngol., 267 (2009), pp. 625-633
[2]
A. Tamaki, J.W. Rocco, E. Ozer.
The future of robotic surgery in otolaryngology – head and neck surgery.
Oral Oncology., 101 (2020), pp. 104510
[3]
M. Nakayama, F.C. Holsinger, D. Chevalier, R.K. Orosco.
The dawn of robotic surgery in otolaryngology ‐ head and neck surgery.
Jpn J Clin Oncol., 49 (2019), pp. 404-411
[4]
F. Boehm, R. Graesslin, M.-N. Theodoraki, L. Schild, J. Greve, T.K. Hoffmann, et al.
Current advances in robotics for head and neck surgery – A systematic review.
Cancers, 13 (2021), pp. 1398
[5]
E. Thuler, M.S. Yuri, Q.E. Tominaga, V.S. Santos Jr., F.A.W. Rabelo.
Cirurgia robótica transoral no tratamento cirúrgico da apneia obstrutiva do sono.
Prática em Medicina do Sono. Revinter, 22 (2021), pp. 317-332

Como citar este artigo: Fonseca AS. Transoral robotics in otolaryngology: a new frontier to be conquered. Braz J Otorhinolaryngol. 2022;88:821–2.

Idiomas
Brazilian Journal of Otorhinolaryngology

Receba a nossa Newsletter

Opções de artigo
Ferramentas
en pt
Announcement Nota importante
Articles submitted as of May 1, 2022, which are accepted for publication will be subject to a fee (Article Publishing Charge, APC) payment by the author or research funder to cover the costs associated with publication. By submitting the manuscript to this journal, the authors agree to these terms. All manuscripts must be submitted in English.. Os artigos submetidos a partir de 1º de maio de 2022, que forem aceitos para publicação estarão sujeitos a uma taxa (Article Publishing Charge, APC) a ser paga pelo autor para cobrir os custos associados à publicação. Ao submeterem o manuscrito a esta revista, os autores concordam com esses termos. Todos os manuscritos devem ser submetidos em inglês.